MADE IN BRAZIL

Eu tenho muitas manias e acho que com a idade me tornei metódico por causa delas. Um exemplo clássico é sempre cheirar tudo. Eu cheiro a tampa da marmita, zíper de roupa, chave de boca, buraco de parede, gelatina quando mistura a água quente, celular novo, meias antes de usar… A lista é extensa, mesmo sentindo o cheiro no ambiente, eu cheiro de novo pra ter certeza. Mas umas de minhas manias é olhar de onde vem as coisas. Eu sempre olho onde é a fábrica, a cidade de onde vem o produto, o país que foi fabricado. Faço isso associado a um sentimento de descoberta. Molho de tomate eu percebo que todo lugar tem uma fábrica, às vezes vou no google maps ver onde fica a cidade e descubro que não tem quase nada de área rural e penso: Onde é que conseguem plantar tanto tomate assim? Em outras situações, me exalto de alegria ao saber que algo é fabricado ou distribuído em cidades vizinhas a minha e acredite, eu pulo de alegria ao saber que comprei algo que foi feio na minha cidade ou perto, seja roupa, sabão, veneno, pimenta, o que for. Eu compro e imagino aquele monte de gente empregada saindo da fábrica, morando pertinho do trabalho com o uniforme da empresa. Eu vejo na minha mente essas imagens, além da sensação de estar ajudando o empreendimento local a crescer. Mas reconheço, tem produto que é uma porcaria, seria melhor que a fábrica fechasse, ainda tem aqueles produtos que desaparecem e nós ficamos com um vazio, sabendo que poderíamos ter aproveitado a maravilha que tínhamos à disposição.

Agora vem a melhor parte. Eu amor ler os “Made in”, um dos meus passatempos favoritos é descobrir o país de origem das coisas, e eu fico pasmo sabendo que não tenho quase nada produzido no Brasil, principalmente coisas que utilizam plástico, led e algum orifício que se inclua na tomada. Devíamos produzir mais, pra ter orgulho e com certeza pagar menos, com a sensação de dever cumprido, o exemplo é a vacina de COVID-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan, com um pouco mais de investimento, nós já teríamos fabricado doses para todos os brasileiros sem apoio internacional, mas isso é outro caso, politica não é uma das minhas manias, olhar a evolução de patrimônio dos políticos é um hobby, também fico horas olhando o portal da transparência, e sempre fico pasmo com o tanto de dinheiro que esse país tem e emprega mal, por fim, com a sensação de nada estar sendo feito.

Bom, o caso é que sempre leio os “mande in” Com intuito de achar algum país que não seja a China ou os EUA. Essa semana depois das compras no mercado,  que aumentou nosso custo em média 10% (Lá vem a política de novo), fui lavar os potes para colocar os mantimentos e adivinha? Nós temos um pote “Made in INDONÉSIA” e descobri que a cafeteira é “Made in GREECE”. Quanta alegria! Eu adoro ver coisas de outros países, gosto das características próprias, do design, geralmente tem algo diferente, e isso torna único aquele pequeno pedaço de outro país. 

Durante minha passagem pela África, especificamente no Kenya, enquanto participava de um acampamento internacional escoteiro, tive a oportunidade de ganhar muitos presentes de amigos de diferentes países, mas para minha surpresa,a maioria eram produtos fabricados na China. Nádia, uma angolana que desfilava com uma camiseta linda com a bandeira da Angola e um cachecol com os símbolos nacionais queria trocar por produtos brasileiros, me joguei na frente e fiz a negociação. Trato feito. Desfilava com a nova camiseta pelo evento. Chegando em casa, depois de desfazer a mochila e por tudo pra lavar, sou invadido por um sentimento de pasmaceira com euforia. Ao me preparar para desfilar pelas ruas da minha cidade com minha blusa exclusiva da Angola, ao me vestir, leio a etiqueta: 

MADE IN BRAZIL 

LEGENDA: Na foto, Leandro, Eu, Nádia e Fabrício, durante o ROVERMOOT, no KENYA, em 2010.