Vingança (A Bicha Má)

Family-Claude-Monet-The-Dinner-1869

 

Samuel já havia conquistado o pouco da vida que lhe bastava, casa própria (financiada), carro (parcelado e em atraso), um bom emprego e família. Mesmo levando uma vida modesta e sem muitos luxos se permitia agradecer ao pouco que Deus lhe deu, um filho educado (Com satanás no corpo) uma filha feliz (Estilo quem toma Diazepan com Whisky) e uma esposa fiel (mas que acabava com a dispensa antes de 15 dias).

Se fosse jogar no bicho, seria a esperança, mas nunca jogou até porque esperança é nome de sogra ruim e o bicho não contempla essa delicadeza dos gramados. A boa sorte adentrava naquele lar e os problemas como racionamento de água e a crise politica institucional não eram assuntos tratados na mesa do café, o segredo de todo Bon Vivant é ceder às pequenas vontades dos entes familiares: um almoço na rua, um sorvete depois da escola e  porque não um cinema na terça a tarde? Tantos perguntavam a sabedoria para uma família daquela e ele dizia: “- É só deixar a vida me levar” mesmo não sabendo nada sobre Zeca pagodinho.

Naquela manhã antes de sair para o trabalho, o telefone fixo tocou com o sentimento de ser mais uma mensagem gravada com a voz da Xuxa pedindo doação para Igreja Universal, afinal, ser funcionária de bispo tem que cumprir meta dentro e fora da telinha. Que saudade do Dr Roberto Marinho! Todos pensavam assim, mesmo que ele torcesse pelo América, era um bom homem. Mas o bispo não era.

– Muca?

Hoje não seria um dia bom, a voz não era reconhecível mas aquele apelido tinha uma origem, a ex namoradinha da adolescência de Samuel.

– Bom dia, quem é?

Ele já sabia, estava tentando ganhar tempo, nesse momento a família já analisava minuciosamente o embargo na voz do patriarca, o café fervia e o aroma inundava a sala.

– Mulher, o café está fervendo!

Todo mundo já sabia que iria dar merda, chamou a esposa de “mulher”, tinha coisa errada.

– Muca, tô querendo mudar, vi no seu condomínio uma casa vazia, queria umas indicações, você tá gostando de morar aí com a sua família?

– Para de me ligar!

Desligou, respirou fundo, olhou para a mesa, um típico quadro de “O jantar” de Claude Monet, onde todos olham para o prato e fingem não terem ouvido o grito histérico do papai.

– Era engano!

(Claro que era, todo mundo notou Muca)

Terminaram o café em silêncio, o que não era comum. As crianças rumaram para o regime semi aberto infantil e a amada esposa foi ao mercado comprar mais pães para saciar sua lombriga. Enquanto dirigia ao trabalho, Samuel pensou como aquela mulher havia conseguido seu número, sabia de sua família e o pior: seu endereço.

Lembrou da vez que conheceu aquele anjo decaído em forma de cabelos loiros e um sorriso encantador. Foi na adolescência, com muitas expectativas e pouca grana a vida se resumia a um copo de refrigerante com Domus e um fandangos. No sol quente daquele setembro de 2003 muita coisa aconteceu, a internet começava a dar seus passos para o futuro, um pouco de Nirvana no discman e uma sombra na praça bastava para matar o tédio da vida vazia daquele casal, até o dia que ela resolveu matar alguém: o Samuel.

Numa crise de ciúme inesperada, estimulada pela bebida alcoólica, a doce companhia viu os olhos de Samuel seguir as nádegas de uma senhora que saia do posto de saúde mancando devido a uma injeção. De fato Samuel a olhava mas com pena, a parada de ônibus estava longe e aquela senhora gordinha lembrara sua mãe, que devia ter preparado macarrão com queijo naquela quarta feira, oque o fez salivar imaginando a iguaria. Tarde demais.

Diabo loiro (anjo nem na foto) teve um súbito de ira e agarrou-se a um galho seco e começou a tangir o bem amado como se houvesse consumado tal ato, isso sim é que é curar ressaca. Samuel ainda tonto pelo álcool e desnorteado pelas galhadas corria em direção oposta a do anjo, chegando em casa, comeu macarrão com queijo e dormiu. O telefone tocou a tarde inteira, 34 vezes precisamente, na última ligação atendeu o que seria um dejavu nos dias atuais:

– PARA DE ME LIGAR!

O tempo passou, a necessidade de álcool e novas rotas para o desencontro foram necessárias nestes últimos quinze anos. Mesmo sem ter notícia, mantinha viva na mente a imagem de que aquela surra deveria ter continuado, podia sentir a raiva de sua ex por onde pisasse e a sensação de que aquela ira era alimentada por ela.

Em uma quarta feira atual, Já anoite, chegando em casa e entorpecido pela idéia de reencontrar o motivo de seu medo na porta de sua casa, sentiu um mal súbito ao olhar para a casa numero 41, não era o diabo loiro, era algo muito pior. A luz apagada da varanda e as janelas fechadas evidenciavam o temor de Samuel, andou lentamente até a porta, bateu duas vezes na porta, não economizou nos pulmões:

– Ei! Alguém abre a porta! Mulher? Meninos?

Não podia sequer pestanejar, o cheiro do gás butano invadia suas narinas preenchendo sua memória com imagens cruéis, como podia ter deixado a família sozinha naquele dia em que o diabo descobriu seu endereço e ligou? Agora era tarde, todos estavam mortos mas, por um instante teve súbito de consciência e ligou para seu pai apenas para averiguar seus pensamentos obscuros.

– Alo?

– Pai?

– Oi Filho.

– Os meninos estão aí?

– Não, aconteceu alguma coisa?

– Ela matou eles!

Abandonou o celular na grama, esmurrou a porta, ainda daria tempo de salva-los. Com uma força sobrenatural arrombou a porta de compensado, gritou pela família, olhou dentro do forno, embaixo da cama, por último foi ao telhado. Nada feito. Não matou ainda, foi sequestro. Imaginou todas as economias e as negociações para resgatar as únicas coisas que tinham valor na vida. Retornou ao celular na grama, seu pai ainda estava na linha.

– Pai, eles não estão aqui.

– Já olhou na vizinha?

– Não.

Desligou o telefone, era quarta feira, dia de juntar a gurizada na casa 45, um verdadeiro clube do terror a base de Danoninho. E lá estavam todos vivos e felizes aguardando Samuel para de repente tomarem um sorvete a noite. Ao chegar em casa a esposa notou a porta encostada.

– Nossa! O que aconteceu aqui?

– Essa porta é muito ruim, só encostei e ela caiu.

Sem muitas explicações, uma boa família não se preocupa em justificar todos os problemas, basta viver e supera los, até surgirem outros. Como o skate que a menina estava querendo ganhar de natal. No fim daquela noite, o telefone tocou novamente. Samuel apressado correu em direção mas a esposa já havia atendido.

– Alo! Hummm, tá, tchau!

Samuel a olhava transtornado

– Era engano…. Muca.

Naquela noite, Samuel não dormiu, não tinha certeza de mais nada, ficou com medo de sua esposa ser igual ao diabo loiro, dessa vez a surra iria até o fim.

Anúncios

Vendedor de Histórias

img-20160207-wa0013

Rodoviária de Brasília, seis da tarde, uma corrente sanguínea entre os que precisam ir e os que chegam para irem mais longe de onde vieram. Um pontinho preto no meio do quadro do Romero Brito, este sou eu. Os passageiros disputam espaços entre os pombos que farejam migalhas e os ambulantes que mais parecem anunciantes de Herbalife há um passo para bater a meta do mês. As meninas seguram a saia e os cabelos para não pegar o cheiro da fritura dos pastéis. Os meninos com o vale na mão contam os minutos para chegarem em casa a tempo de verem o início da partida.
As senhoras com suas sacolas enormes pedem ao motorista para entrarem pelos fundos por conta da muamba. Os idosos ostentam sua identidade, intimidando aqueles que ainda pagam passagem.
Eu estou a caminho da fila do meu ônibus que mais parece o último trem saindo da Serra Pelada, sem pressa, vou caminhando observando as peculiaridades daquele lugar exótico e seus personagens.
– Ei brother! Como vai?
– Bem…
– E sua mãe?
– Tá bem.
– Sua mãe é uma mulher de ouro.
– É…
– Brother, saí do lava jato, depois fui tentar algo na padaria da esquina mas também não deu certo.
– Tá difícil pra todo mundo né?
– Oh! Aí resolvi tentar vender uns perfumes aqui.
– Que boa notícia.
– Olha só, leva esse Givenchi para tua mãe e pega esse Ferrari pra você, pelos velhos tempos, tua mãe me ajudou muito, devo muito a ela.
– Eu não tenho dinheiro.
– Quem tá falando em dinheiro? É pela amizade.
– Que seja, obrigado.
Me viro e vou indo em direção a minha fila.
– Oh irmão! Faz um favor pro seu brother aqui.
– O que?
– Me paga um lanche que eu tô cheio de fome.
– Cara mas eu só tenho…..
Neste momento o perfumeiro pegou rapidamente oito reais de minha carteira com um passe me deixando apenas com um.
– Tá tudo certo, com esses oito eu tomo um caldo com pastel e esse passe eu volto pra casa, aquele abraço na sua mãe.
Já na fila, minha namorada chega e pergunta:
– Você tem um vale sobrando?
– Não! Só perfumes.
Contei toda a história que havia acabado de vivenciar, uma história de superação, de força de vontade, de coragem. O cara tá na luta, não desistiu.
– Amor isso não perfume, é água com amaciante.
– Como eu ia saber.
– E você conhece ele de onde?
– Nunca vi mais magro.

Desgraça em família

xuxa_requebra_thiago_maroca

Lá vinha Joaquim chegando para menos um dia a contar para aposentadoria, já que  a estabilidade do serviço público não substituía a frustração de não ter feito aquilo que lhe deu vontade: ter sido chefe de cozinha. Mas  não podia reclamar, viajou, casou, comprou uma boa casa, fez empréstimo, pagou escola em atraso, pegou outro empréstimo, a sogra morou junto com ele por um ano e depois disso voltou a acreditar em Deus, mesmo que ele (Deus) não tenha ouvido seu pedido de leva-la logo para o purgatório, convenceu a cobra de morar com a outra filha que por sinal era mais nova, mais gostosa e mais divertida. Insuportavelmente feliz.

De tanto amaldiçoar a sogra cresceu a preocupação de que sua amada mãezinha,  dona Neuza, pudesse estar sendo hostilizada por um ebó vindo de sua cunhada, Débora , mulher do Toninho, seu único irmão, mais novo e pilantra de marca maior.

Toninho ao 30 anos possuía um currículo invejável, agremiou vários troféus, pegou mulher bandida, advogada, policial, carcereira, por fim, arriscou promotora pública mas não rolou. Tinha um relacionamento sério de idas e vindas com Débora, uma biscate que o amava mas o usurpava sempre que podia.  A única admiração de Toninho era Joaquim, seu irmão. Um de pai de família exemplar, funcionário serio, com exceção da mulher megera que arrumou, lhe deu dois filhos mas não conseguiu se livrar do mau hálito, Toninho demonstrava o desprezo pela cunhada sempre lhe oferecendo Halls.

– Essa bala tem um hálito refrescante

– …..

Com silêncio, a cunhada o desprezava, só aturava e recebia sua visita por respeito ao marido e a mãe que estava doente.

Naquele dia  Joaquim chegou no serviço com a cara de poucos amigos, a mulher deu-lhe uma bronca sobre o atraso do colégio, com bafo e tudo. Ligou o computador, olhou as noticias e a críticas sobre o Palmeiras. foi fumar por uma hora no estacionamento da empresa. Ao regressar:

– Caralho Joaquim, na próxima leva essa merda de celular contigo! Disse o Bezerra, seu parceiro de mesa.

– Seu irmão ligou umas vinte vezes.

Mamãe. Só podia ser. Ligou desesperado para o irmão, sem respirar, Toninho atendeu aos prantos.

– Uma desgraça, Joaquim, na nossa família.

– Porra Toninho, eu tentei fazer de tudo mas a mamãe já estava doente.

Silêncio mortal

– Não foi a mãe.

– quem foi?

– A Débora.

-Graças a deus!

-Devia  ter sido a tua, aquela boca podre.

-Devia mesmo.

Pensou alto.