Reflexões Visuais

Fiz uma pesquisa rápida entre os meus, perguntei quantas fotos haviam no celular de cada um. Pasmem! Eu fiquei na lanterna com quase 600 fotos, o primeiro atingiu a marca de 1.083 fotos. Já pensou se tivéssemos ainda que revelar para ver as fotos registradas? Antes, ostentação era um filme com 36 poses com ISO 200, ótimas para fotos noturnas, sem falar da necessidade de pilhas para os flashes. Mas o que faz com que tiremos tantas fotos virtuais? Em geral, a resposta a essa pergunta se dá pela necessidade do registro histórico do tempo, seja uma atividade, um momento familiar, muitas vezes um acontecimento marcante como: uma festa, um aniversário ou um lugar diferente. O que percebo é que pouco se fotografa sobre as trivialidades da vida, o dia comum, a rotina, os hábitos normais impostos pela vida cotidiana. É fato que todos usam o celular, não apenas pela qualidade média do aparelho, mas muito pela velocidade de estar pronto para o momento que se deseja registrar. Quando surgiram as primeiras máquinas digitais, a discussão se dava pela velocidade do registro, impossível ter a imagem congelada de um cachorro correndo, mas se nós somos capazes de pedir carona pelo celular sem sentir vergonha (inclusive, pagamos por isso) como não iríamos ter fotos mais velozes, inclusive mais bonitas. Creio que o problema agora são as fotos de fato, tratadas. Em uma experiência de montar um estúdio fotográfico(como fonte de renda e de sobrevivência mental durante a pandemia) todos os ensaios realizados rendiam críticas ao tratamento básico que era dado nas fotos. Querem fotos que distorçam a realidade e vendam uma estética quase plástica porém que não conflite com a realidade, querem mais tratamento digital que cubra as imperfeições do que os traços que delineiam a vida real. Fotógrafos, todos somos, a virtualidade nos deu esse título mas, muitas dessas imagens ficam perdidas no banco de memória do celular, também há uma necessidade de tirar repetidas fotos para que se encontre a foto ideal, digna de tornar-se pública. Com os stories das redes sociais mais populares (Instagram e Facebook) há uma certa corrida pela vaidade e atualização constante de uma vida repleta de coisas legais. Fragmentar o dia em uma única foto boa, transformar um passeio ou uma viagem em um momento inesquecível é mais importante do que apreciar o momento. A verdade é que as imagens nos permitiram exibir uma vida diferente, medida em likes, utilizando as imagens e manipulação digital para que possamos mentir melhor.

Estamos em um mundo imerso em imagens e é muito difícil resistir a elas.

OBS: Esta foi a foto que eu tirei com minha primeira camera digital, em junho de 2007. Um casaco e uma calça jeans, uma tv 14 polegadas de tubo, livros e CD’s empilhados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s