Futebol de pequi

O talento com as pernas era inegável, mas a concorrência também era grande, todo dia nasce um novo Neymar na periferia, a invisibilidade social muitas vezes lhes tiram o sonho mas também lhes permitem não desistir daquele único sonho possível, até porque o futebol é fácil de fazer acontecer em qualquer lugar, basta uma bola e quatro pedras, o resto é a criatividade quem ensina.

Todo menino que gosta de futebol sonha em jogar em um time famoso, de preferência no circuito Rio-São Paulo, mas estes dois começaram na base no “Alô Alô”, em Brasília, time com nome de bloco de carnaval, porque foi daí a sua criação, uma mistura de euforia com determinação, do jeito que nasce o sonho em toda criança na favela. O time tinha poucos recursos, O técnico era um senhor apaixonado pelo América, dos tempos de ouro, quando o futebol tinha muito de arte e pouco de técnica, até o doutor Roberto Marinho, dono do jornal o globo era torcedor. O coroa sempre ensinava boas lições sobre companheirismo e jogo em equipe, afinal, o que se leva da vida e a vida que se leva. 

De peneira em peneira,ninguém sabe como aqueles dois meninos, cada um vindo de um canto do país, vieram parar ali. Os dois de família humilde, educação pública do jeito que deu, alfabetizados e capazes de contar os pontos em cada partida. A força de vontade e a fé não fizeram desistir de suas trajetórias.

Depois de anos passando morando em todos os cantos desse país e passando por vários times, agora eles estavam na série B, se encontram em times opostos, Remo (PA) e Vila Nova (GO), o jogo aconteceu em Belém, e os convidados foram de ônibus pela Belém- Brasília, na janela dava pra ver o filme da vida passando junto com a paisagem da estrada, ná rádio do ônibus tocava a música do Roberto Ribeiro: “Todo menino é um rei, eu também já um rei…” 

O time era esperado com um banquete paraense, maniçoba, arroz com jambu e tacacá. Culinária indigena, com um aspecto diferente, mas bem saboroso. Na verdade, o time anfitrião tinha o interesse de causar constipação no time visitante com as iguarias do norte, o que eles não esperavam era que os goianos também trariam um artefato de valor simbólico e comestível, o pequi. Ah nisso você precisa me ouvir, pequi foi feito apenas para os goianos. Não precisa pegar, cai no chão. Não precisa abrir, ele racha. Não mastiga, é só roer.

A partida foi uma típica pelada de domingo entre solteiros e casados, depois de uma feijoada. Barriga pesada, pernas lentas e o calor de Belém deixavam o jogo uma verdadeira tortura, ninguém corria. O segundo tempo virou praticamente um toque de bola por quase quarenta minutos, a bola ficou por dois minutos no meio do campo, a coragem não foi convocada para a partida, os técnicos sentados nos bancos de reserva evitavam gritar para não desmaiarem. Aqueles dois amigos da época, resolveram ir atrás da bola, se trombaram e fingiram se machucar para serem carregados pelos paramédicos, que estavam dormindo dentro das ambulâncias. O juiz também esgotado resolveu finalizar a partida dando o direito a um pênalti para cada agremiação.

Os goleiros estavam animados, levantaram para fazer jus ao escudo no peito, a defesa goiana reagiu melhor defendendo a bola no canto esquerdo enquanto a defesa paraense perdeu o rumo e permitiu que a bola entrasse e marcasse o único gol decisivo da partida, o pequi roído no bolso de cada jogador goiano deu sorte e fez com que saíssem vitoriosos com 1×0. Depois da partida, todos entraram no ônibus e dormiram por horas, na próxima não iriam se aventurar na recepção gastronômica antes do jogo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s